Lídice, a primeira senadora mulher da Bahia

Reforma trabalhista é uma forma legalizada de constranger o trabalhador, dispara Lídice

CAE - Comissão de Assuntos Econômicos

A senadora Lídice da Mata (PSB-BA) apresentou esta semana seu voto em separado na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, contrário à aprovação do projeto que trata da reforma trabalhista (PLC 38/2017). A parlamentar baiana, que é contra a reforma, disse que o projeto é “uma forma legalizada de constranger o trabalhador”, numa crítica contundente ao relatório elaborado pelo senador Ricardo Ferraço (PSDB), que não alterou o texto que veio da Câmara dos Deputados.

Para a socialista, uma possível aprovação da reforma significará um rompimento do Brasil com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), pois o país é signitário dos principais acordos internacionais em defesa do trabalhos e a reforma impossibilitará moralmente o governo de se reunir com a entidade. “Não resta dúvida que, do jeito que está, a reforma trabalhista prioriza a terceirização em detrimento do trabalhador. Procurei um benefício nesse projeto e não encontrei nenhum. É retirada de direitos o tempo todo”, lamentou Lídice.

Ao questionar a falta de diálogo com a sociedae na condução da proposta, Lídice disse ainda que a reforma trabalhista demonstra que há interesses ideológicos por trás do projeto, cria contratos de trabalho precários, enfraquece a negociação coletiva e o papel dos sindicatos, retira dreitos dos trabalhadores e desequilibra o sistema de relações de trabalho.

A senadora criticou a rapidez com a qual o projeto está tramitando e alertou que os itens propostos na reforma trabalhista facilitam a demissão dos trabalhadores e trarão economia somente para os empresários: “Mais uma vez, o trabalhador será o maior prejudicado”, disse. Para ela, o projeto irá aumentar o número de demissões imotivadas e alterar a jornada de trabalho, além de prejudicar, de forma mais grave, as mulheres trabalhadoras: “Este dispositivo é uma perversidade para com a maternidade da trabalhadora no Brasil, pois não enxerga a maternidade como uma necessidade de proteção da sociedade, e coloca como única responsabilidade a da mulher”, alertou.

Na próxima terça-feira (13/6), o projeto será apreciado pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado e a senadora já informou que irá apresentar voto em separado contrário ao projeto também nesta Comissão.

Confira a leitura do voto em separado no Portal Multimidia do Senado ou acesse à integra das notas taquigráficas.

Assista também pela TV Senado:  As reformas são pautas explosivas que não dialogam com o povo, argumenta Lídice da Mata

Leia também: Oposição pede rejeição da reforma trabalhista na CAE

Acordo político estabelece calendário de votações da reforma trabalhista

Antes de ser aprovada na CAE, reforma trabalhista foi criticada durante quase nove horas